Um mais um já são dois

Com o passar dos anos, na escola, de série em série, se aprende e vai-se criando hábitos e formas de se portar nessa sociedade, modos de pensar e de agir. Mas hoje convido-os a pensar que também se desaprende. Querem saber como?

Há um assunto que eu tanto falo, que é sobre a organização dos alunos em sala, trata-se de sentar em círculo e não em fileiras. Isso os professores que praticam já notaram a diferença, bem como eu. 

Mas em uma de minhas conversas com educadores, percebemos que com as turmas de educação infantil isso dá super certo, mas quando os alunos entram no ensino fundamental e médio, quando é proposto esse formato, não dá certo. Então refleti sobre o porquê desse fato. E a resposta é simples.

O sistema educacional nesse quesito, não permite que os alunos continuem com a autonomia de se portar no formato circular como quando na educação infantil, porque ao passarem para os anos iniciais, já os colocamos em fileiras novamente. Ou seja, quando algum professor for propor uma aula em círculo, obviamente que se a turma forma mais agitada, ou algo do gênero, os alunos não saberão agir adequadamente à esse formato coletivo, de forma que o professor possa bem conduzir a aula.

E aí pergunto a vocês, caros leitores, é possível cobrar os alunos sobre essa postura? Em minha humilde opinião, não. Porque não os estimulamos para isso, não os permitimos. Por isso ouvimos relatos de que em grupo certas turmas não funcionam, mas os estimulamos a esse convívio durante todos os dias letivos? Não. Apenas propomos diversas vezes que trabalhem grupo. Mas a lacuna permanece. 

Por isso, simplesmente precisamos proporcionar o momento para ir construindo esse hábito, aliás, ouso dizer que estar inteiramente no coletivo, sabendo ouvir, respeitar e se expor, é uma habilidade a ser desenvolvida. E isso leva tempo, anos. Nossos alunos precisam crescer dessa forma na escola. 

Portanto, enfatizo a importância que há em estimular essa atitude diariamente. O processo inverso do que fazemos, é dar subsídios para depois colher os resultados.

Referências

Imagem retirada do link:
http://psicologiaaplicadaets.blogspot.com/2017/06/grupos-de-trabalho-nas-organizacoes.html

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *