Aprender pela curiosidade

O processo de aprendizagem é particular de cada um, sabemos que para ela existem formas diferentes e individuais ao longo do processo, mas existe algo que pode ser comum, o ponto de partida. Mesmo o desenvolvimento estando intimamente ligado com características pessoais do ser, podemos  partir de um mesmo ponto para introduzir os conceitos. E será um pouco diferente do usual, vamos sair da caixa.

Para iniciar, vamos pensar  em uma turma em determinada sala de aula, onde se inicia um conteúdo. O educador certamente começa já falando do assunto e os alunos irão acompanhar. Talvez, após toda a explicação, que pode levar muito mais que uma aula, claro, eles farão algum trabalho prático, de campo na melhor das hipóteses. Tudo bem até então.

Mas aí pergunto, os alunos realmente se interessaram pelo assunto? Muitos sim, mas talvez nem todos, e obviamente, dessa mesma forma pode ocorrer mesmo se o educador mudar sua metodologia, como vou sugerir.  Acontece que, o objetivo dessa mudança não é que todos amem sua aula, mas sim que desperte verdadeiramente a curiosidade neles o máximo possível. E é através dela que iremos repensar nossas metodologias.

Contextualizando-nos na etimologia da palavra, curiosidade vem do Latim curiositas, “desejo de conhecer, de se informar”. Isso nos faz pensar que se somos curiosos, desejamos conhecer algo, então isso nos move e nos faz buscar. E é isso que acontece com uma turma quando despertamos esse movimento neles, eles aprenderão o conteúdo com uma curiosidade inicial, uma vontade própria, que partiu  não somente do educador, mas sim de cada um deles. 

A partir daí, podemos dizer que o aluno irá querer conhecer mais sobre o tema, vai se interessar em estudar e vai absorver e aprender com muito mais qualidade, porque aflorou seu interesse. Agora, a questão é, como fazer isso?

Bem, isso é processo inverso de metodologia. Para sair da caixa, basta lançar um exemplo a partir de uma realidade do cotidiano, que eles conheçam, e lançar a proposta para que eles pesquisem. Forneça então, educador, um espaço de busca, seja na internet ou nos livros, após isso, promova um momento para que eles compartilhem, e a partir daí comece a explicar o conteúdo. Certamente, esse exercício proporcionará uma maior fixação dos conteúdos para os alunos.

Isso é sair da caixa. Isso é aprender a partir da curiosidade.

Referências

Imagem retirada do link:
https://www.unicesumar.edu.br/blog/mba-em-marketing-criatividade-e-inovacao/  

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *