A prova não comprova

Já pensei muito sobre isso, escrevi e ainda não estou satisfeita, afinal, o que é a prova? Pensando bem minuciosamente, são questões preparadas diante daquilo que o professor explicou onde o aluno irá responder e se souber, obterá uma nota a qual vai definir se ele aprendeu, caso contrário, não aprendeu. Faz sentido isso para você?

Uma prova, independente de ser dissertativa ou objetiva sempre será redundante e não consegue extrair do aluno tudo o que ele sabe. Obviamente que você, caro leitor, deve estar pensando que o professor não avalia apenas por ela, mas, acredite, há quem o faz. 

Nesse sentido, precisamos repensar esse método avaliativo que por muito tempo vem sendo algo prático e documentado, mas que estamos vendo que não é um método diagnóstico. Estamos diante de um tempo em que o olhar atento ao aluno em sua totalidade é mais importante, o olhar de uma aprendizagem significativa, do fazer sentido, do poder da empatia. E estamos nos contradizendo ao pensar nisso se o que passa o aluno adiante são de fato a prova. 

Portanto, se já percebemos insatisfação da prova como método avaliativo, aos poucos devemos mudar essa realidade. O leque avaliativo para diagnosticar aprendizagem dos alunos é enorme, trabalhos individuais, em grupo, projetos e atividades, mas e então, por quê insistir na prova?

REFERÊNCIAS

Imagem retirada do link:
https://www.qconcursos.com/artigos/pergunte-ao-especialista-quais-os-tipos-de-provas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *