A beleza da “PALAVRAMUNDO”

Esse termo foi criado por Paulo Freire, que o descreve em seu livro “A importância do ato de ler”. Com muita criatividade ele nomeia algo que muda a nossa prática diária e é tão simples.

Palavramundo significa a forma com que as crianças vêem o mundo, sua noção de realidade através das experiências. É o seu conhecimento de realidade. E isso pode ser um grande aliado na aprendizagem, vou explicar porquê.

Podemos usar essa visão lá na sala de aula, para introduzir o conteúdo. Nosso ponto de partida será o que os alunos vivem. E certamente, as vivências e os conteúdos irão se encaixar.

Para exemplificar, ao iniciarmos a explicação de um conteúdo, de um determinado assunto, usamos já um exemplo de algo que eles já conhecem, e juntos tecendo as ideias. Fazendo isso, construiremos pontes, que unem o professor com os alunos, une os conteúdos às realidades da vida de cada um. 

Esse processo ocorre desde na educação infantil, onde as crianças que ainda não sabem ler e escrever, já irã tendo noções, construindo suas visões, pelo simples fato de “conhecerem as coisas”. Isso também um conhecimento de realidade.

No ensino fundamental I e II, também pode-se trabalhar com essas ideias. Afinal, mesmo já sendo alunos maiores, ele já tem várias visões, porém também em formação, e mesmo assim podem ocorrer aí trocas valiosas de ideias.

Já no ensino médio, as opiniões e visões estão bem mais consolidadas, e muita coisa já é entendida com maior facilidade, ao passo que pode-se fazer outras comparações com anseios futuros, afinal, a fase pede esses questionamentos.

Os benefícios desse processo são inúmeros. Além dos alunos se identificarem e com isso apreciarem mais as aulas, eles também irão construir relações com o cotidiano, o que facilita a aprendizagem, a fixação dos estudos.

Existe uma certa lógica que por vezes vem sendo esquecida, a escola em seu papel de trabalhar para e pela sociedade, tem a função de unir os estudos com a vida. E não o inverso. Ela não é algo distinto, para ser visto como um divisor, mas sim para somar e acrescentar à vida de nossos educandos.

Portanto, é fundamental que se perceba novas formas de iniciar assuntos em sala de aula, onde o ponto de partida seja sempre os maiores interessados, os alunos. A linguagem convida, entrelaça, e a busca se dá neste o processo, onde se produz os conhecimentos.

Referências

FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler. 1° edição, 1981.

Imagem retirada do link: http://palavramundo.editorasaraiva.com.br/


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *